Blog Pioneira

Independente do segmento, o momento econômico requer cautela

25/08/2019
Independente do segmento, o momento econômico requer cautela  | Blog Sicredi Pioneira

A tão aguardada alavancada econômica com a implementação das reformas estruturais, em maior destaque a da Previdência, pode permitir ao crédito retomar o posto de protagonista da economia brasileira em 2019. Porém, o que economistas ainda aconselham é paciência. Não aquela que faz o empresário ou pessoa física aguardar, tranquilamente, as condições melhorarem, mas priorizar a gestão estratégica (no caso da pessoa jurídica) e o planejamento pessoal (pessoa física) no momento de análise e tomada de empréstimos. “Para a economia voltar a crescer são necessárias mudanças. A Previdência Social é somente um dos eixos. É preciso repensar também o sistema tributário, a forma como a máquina pública gasta os recursos que arrecada”, observou o economista-chefe da Farsul e professor titular das disciplinas de Comercialização e Microeconomia da ESPM-Sul, Antônio da Luz.

Segundo ele, após a aprovação de tais reformas, o Brasil precisa de tempo para que seus efeitos comecem a impactar positivamente na economia nacional. A produção e o consumo em 2019 correspondem aos níveis do primeiro trimestre de 2012. Vivemos nesse ano, porém a economia está sete anos atrasada. O Brasil precisa se modernizar”, propõe. Antônio da Luz esclarece que a condição do mercado financeiro é refletida em todos os segmentos, independente do agronegócio, pessoa física ou jurídica, sendo essenciais a atenção e a atualização de informações, antes de qualquer tomada de decisão. “Todos fazem parte da mesma economia”, acrescentou.

Conforme análise da área de Política Econômica do Banco Central, o mercado de crédito dá sinais de desenvolvimento. Contudo, é necessário analisar os números do setor com certo cuidado, uma vez que o financiamento a empresas tem acontecido mais por meio de instrumentos do mercado de capitais, onde há um quadro mais dinâmico, que por empréstimos tradicionais. Quanto às pessoas físicas, o Bacen considerou a situação mais favorável, com crescimento dos empréstimos em modalidades que possuem garantias atreladas, a exemplo do consignado (com desconto em folha de pagamento), veículos e antecipação de recebíveis, que dispõem de segurança e solidez.